Sonoendoscopia é aliada no tratamento de distúrbios do sono


Otorrinolaringologistas do Hospital Madre Teresa relatam que a técnica ajuda a evitar cirurgias desnecessárias

É de manhã e o cansaço está forte mesmo após horas de sono, já que a noite foi agitada, com roncos e dificuldades para respirar e dormir. O ideal neste caso é procurar apoio médico, pois pode se tratar de um distúrbio do sono chamado apneia obstrutiva. Para ajudar na precisão do diagnóstico e adoção da terapia mais adequada, o Hospital Madre Teresa disponibiliza o exame de vídeonasolaringoscopia durante o sono, também conhecido como sonoendoscopia.


Com esta técnica, é possível avaliar a anatomia da faringe de pacientes com diagnóstico de ronco e apneia do sono. Por possibilitar a visualização completa da parte superior do aparelho respiratório, o especialista pode identificar os locais em que ocorre a obstrução e indicar o melhor tratamento evitando, inclusive, a realização de cirurgias desnecessárias.

O otorrinolaringologista do HMT, Dr. Tiago Fraga Vieira, aplica o exame de forma sistemática em seus pacientes há cerca de um ano. Em 2017, o médico passou a estender o atendimento para clientes de outros serviços. Segundo o especialista, a precisão das imagens viabiliza a conduta para a terapia, permitindo uma melhor indicação de dispositivos orais ou cirurgias para correção da apneia obstrutiva do sono.

Embora seja adotado no diagnóstico das doenças do sono, a otorrinolaringologista Dra. Mariana Denaro ressalta que a sonoendoscopia não deve ser o único parâmetro: “É importante lembrar que este procedimento não substitui a polissonografia, devendo ser adotado como um exame complementar”, afirma.

Dr. Flávio Werkema, médico e cirurgião-dentista do Hospital Madre Teresa, relata que existem diversos tratamentos para apneia obstrutiva do sono mas todos devem ser realizados de forma criteriosa. “O exame de sonoendoscopia veio para colaborar inclusive na investigação de pacientes que não se adaptaram a algum tipo de tratamento”, explica.

COMO FUNCIONA?

O procedimento é realizado em bloco cirúrgico com auxílio de uma anestesista e com o paciente submetido à sedação com propofol (substância que viabiliza um sono mais próximo ao natural). A partir de então, o médico introduzirá um aparelho de fibra ótica com cabo flexível passando pelo nariz do paciente, o que permite visualizar, por meio de vídeo, os locais em que ocorre a obstrução na faringe. Além disso, para ampliar a gama de dados para avaliação, também é possível gravar o áudio do ronco. Segundo o anestesista Lucas Cardoso, o exame dura cerca de 25 minutos e o paciente recobra a consciência em poucos instantes após a suspensão do anestésico.

AGENDAMENTOS

O agendamento para realização do exame de sonoendoscopia deve ser feito pelo número exclusivo (31) 3339 8560.