O cenário de OPME no Brasil foi tema do 1º Fórum de Gestão Comercial do HMT



O evento foi um sucesso e reuniu 230 participantes

O auditório do Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa (CDEP) do Hospital Madre Teresa (HMT) ficou completamente lotado, na manhã do dia 17 de abril. Cerca de 230 pessoas, dentre eles colaboradores, médicos, diretores do HMT, representantes de diversas operadoras de saúde, fornecedores e hospitais de Belo Horizonte e região participaram do 1º Fórum de Gestão Comercial do Hospital Madre Teresa, que teve como tema o "Cenário de OPME no Brasil".


De acordo com a coordenadora do Departamento Comercial do HMT, Fabíola Kfuri, estamos vivenciando um momento crucial em toda cadeia produtiva do sistema de saúde brasileiro, sistema este que não possui recursos adicionais, merecendo assim, entendimento de todos os players para tomada de decisões.

O evento foi ministrado por Andréa Bergamini, uma das profissionais mais conceituadas sobre o tema no país e diretora técnica da empresa Gestão OPME - empresa catarinense pioneira em serviços especializados em OPME.

Ela iniciou agradecendo ao setor de Comercial e a Diretoria do Hospital pela excelente iniciativa em fazer um evento desse porte. “Temos aqui representantes de hospitais, operadoras, fornecedores, além de médicos e colaboradores. É fundamental que cada um saiba qual é o seu papel dentro do cenário de OPME”, diz.

 
Em seguida, fez um panorama geral sobre o tema e explicou de forma simples que OPME é uma sigla para designar Órteses, Próteses e Materiais Especiais utilizados para a realização de cirurgias e procedimentos médicos, odontológicos ou terapêuticos. Andréa falou sobre a importância de todos os players terem conhecimento do assunto para evitar problemas como gastos desnecessários e proporcionar mais segurança para o paciente. “A solicitação de materiais sem conhecimento, em excesso, a falta de padronização, ou, ainda, a exigência dos médicos de marcas específicas, faz com que as instituições desembolsem mais dinheiro do que o necessário”, esclarece. 

Durante o Fórum, Andréa abordou ainda os números da saúde suplementar no Brasil, o aumento de custos na assistência médica, sinistralidade, resoluções dos órgãos reguladores e principais diretrizes que norteiam a análise das OPMEs.

Ao longo dos temas abordados a palestrante tirou dúvidas dos presentes e finalizou falando da importância da boa gestão para reduzir o custo interno e se reinventar no mercado.




O cenário de OPME no Brasil foi tema do 1º Fórum de Gestão Comercial do HMT



O evento foi um sucesso e reuniu 230 participantes

O auditório do Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa (CDEP) do Hospital Madre Teresa (HMT) ficou completamente lotado, na manhã do dia 17 de abril. Cerca de 230 pessoas, dentre eles colaboradores, médicos, diretores do HMT, representantes de diversas operadoras de saúde, fornecedores e hospitais de Belo Horizonte e região participaram do 1º Fórum de Gestão Comercial do Hospital Madre Teresa, que teve como tema o "Cenário de OPME no Brasil".


De acordo com a coordenadora do Departamento Comercial do HMT, Fabíola Kfuri, estamos vivenciando um momento crucial em toda cadeia produtiva do sistema de saúde brasileiro, sistema este que não possui recursos adicionais, merecendo assim, entendimento de todos os players para tomada de decisões.

O evento foi ministrado por Andréa Bergamini, uma das profissionais mais conceituadas sobre o tema no país e diretora técnica da empresa Gestão OPME - empresa catarinense pioneira em serviços especializados em OPME.

Ela iniciou agradecendo ao setor de Comercial e a Diretoria do Hospital pela excelente iniciativa em fazer um evento desse porte. “Temos aqui representantes de hospitais, operadoras, fornecedores, além de médicos e colaboradores. É fundamental que cada um saiba qual é o seu papel dentro do cenário de OPME”, diz.

 
Em seguida, fez um panorama geral sobre o tema e explicou de forma simples que OPME é uma sigla para designar Órteses, Próteses e Materiais Especiais utilizados para a realização de cirurgias e procedimentos médicos, odontológicos ou terapêuticos. Andréa falou sobre a importância de todos os players terem conhecimento do assunto para evitar problemas como gastos desnecessários e proporcionar mais segurança para o paciente. “A solicitação de materiais sem conhecimento, em excesso, a falta de padronização, ou, ainda, a exigência dos médicos de marcas específicas, faz com que as instituições desembolsem mais dinheiro do que o necessário”, esclarece. 

Durante o Fórum, Andréa abordou ainda os números da saúde suplementar no Brasil, o aumento de custos na assistência médica, sinistralidade, resoluções dos órgãos reguladores e principais diretrizes que norteiam a análise das OPMEs.

Ao longo dos temas abordados a palestrante tirou dúvidas dos presentes e finalizou falando da importância da boa gestão para reduzir o custo interno e se reinventar no mercado.