HOSPITAL MADRE TERESA INCORPORA NOVA TECNOLOGIA PARA PLASMAFÉRESE E TERAPIAS CONTÍNUAS

Publicado em: 21/5/2021

Sempre focados na segurança do paciente e inovação nos serviços oferecidos, o Hospital Madre Teresa - HMT, em parceria com a Nefroclínicas, tem se destacado no tratamento de pacientes com doenças renais agudas e que precisam de diálise hospitalar, sobretudo, em pacientes acometidos pela Covid-19, onde cerca de 30 a 50% dos casos necessitam de diálise.

Neste mês, o serviço de Nefrologia do HMT passou a contar com a tecnologia da Prismax – um moderno equipamento que permite realizar diálise contínua e plasmaférese.  O Hospital Madre Teresa é o primeiro hospital em Minas Gerais a utilizar esse equipamento. 

Enquanto na diálise são removidos os excessos de fluidos e as toxinas acumuladas pela insuficiência renal, na plasmaférese são eliminadas substâncias indesejáveis do plasma. 

O diferencial do novo equipamento em relação aos habituais, é que ele permite que a filtragem do sangue seja realizada de forma lenta e contínua. Assim, a vantagem dessa tecnologia é que alguns pacientes graves que não suportariam a diálise convencional, encontram no equipamento a chance de realizar o tratamento de forma mais segura, isso porque o aparelho controla o volume de sangue e a velocidade de filtração, diminuindo assim os riscos de uma queda brusca de pressão, por exemplo.

Já no que diz respeito a plasmaférese o equipamento permite a purificação do plasma liberando-o de auto anticorpos que estejam causando doenças imunológicas, tais como:  Púrpura Trobocitopênica Trombótica (PTT), Trombocitopênicos aloimunes, Polineuropatia Inflamatório crônica e aguda, Leucocitose e Trombocitose, Anemia Falciforme e Púrpura pós-transfusional.

O coordenador da equipe, Dr. Dênio Braga, explica que essa tecnologia representa um grande ganho para o paciente e chama atenção para versatilidade do equipamento. “Essa é uma técnica inovadora e ainda mais assertiva. Com ela é possível tratar uma gama de doenças, e não somente as relacionadas aos rins. O equipamento permite tratar também pacientes que apresentam doenças neurológicas, reumatologias e hematológicas”, diz. 

Ainda, de acordo com o coordenador, essa tecnologia apresenta um grau de segurança mais elevado, pois proporciona ao paciente uma condição mais favorável de estabilidade clínica e hemodinâmica durante a terapia.


Serviço de Nefrologia do HMT

Com uma equipe composta por três profissionais, o serviço existe desde 1994 no HMT. Sob coordenação do Dr. Dênio Braga, a especialidade é responsável por realizar procedimentos de Hemodiálise, Diálise Peritonial e Plasmaférese. 


Legenda: Da esquerda para a direita: Dra. Alice Cordeiro Franco Braga, Dr. Dênio Braga de Souza e Dr. Felippe Gonçalves Declié Fagioli


Legenda: Equipe da Nefrologia com as técnicas, Silvania Soares (Nefroclínicas) e Cláudia Lourenço do HMT.




HOSPITAL MADRE TERESA INCORPORA NOVA TECNOLOGIA PARA PLASMAFÉRESE E TERAPIAS CONTÍNUAS

Publicado em: 21/5/2021

Sempre focados na segurança do paciente e inovação nos serviços oferecidos, o Hospital Madre Teresa - HMT, em parceria com a Nefroclínicas, tem se destacado no tratamento de pacientes com doenças renais agudas e que precisam de diálise hospitalar, sobretudo, em pacientes acometidos pela Covid-19, onde cerca de 30 a 50% dos casos necessitam de diálise.

Neste mês, o serviço de Nefrologia do HMT passou a contar com a tecnologia da Prismax – um moderno equipamento que permite realizar diálise contínua e plasmaférese.  O Hospital Madre Teresa é o primeiro hospital em Minas Gerais a utilizar esse equipamento. 

Enquanto na diálise são removidos os excessos de fluidos e as toxinas acumuladas pela insuficiência renal, na plasmaférese são eliminadas substâncias indesejáveis do plasma. 

O diferencial do novo equipamento em relação aos habituais, é que ele permite que a filtragem do sangue seja realizada de forma lenta e contínua. Assim, a vantagem dessa tecnologia é que alguns pacientes graves que não suportariam a diálise convencional, encontram no equipamento a chance de realizar o tratamento de forma mais segura, isso porque o aparelho controla o volume de sangue e a velocidade de filtração, diminuindo assim os riscos de uma queda brusca de pressão, por exemplo.

Já no que diz respeito a plasmaférese o equipamento permite a purificação do plasma liberando-o de auto anticorpos que estejam causando doenças imunológicas, tais como:  Púrpura Trobocitopênica Trombótica (PTT), Trombocitopênicos aloimunes, Polineuropatia Inflamatório crônica e aguda, Leucocitose e Trombocitose, Anemia Falciforme e Púrpura pós-transfusional.

O coordenador da equipe, Dr. Dênio Braga, explica que essa tecnologia representa um grande ganho para o paciente e chama atenção para versatilidade do equipamento. “Essa é uma técnica inovadora e ainda mais assertiva. Com ela é possível tratar uma gama de doenças, e não somente as relacionadas aos rins. O equipamento permite tratar também pacientes que apresentam doenças neurológicas, reumatologias e hematológicas”, diz. 

Ainda, de acordo com o coordenador, essa tecnologia apresenta um grau de segurança mais elevado, pois proporciona ao paciente uma condição mais favorável de estabilidade clínica e hemodinâmica durante a terapia.


Serviço de Nefrologia do HMT

Com uma equipe composta por três profissionais, o serviço existe desde 1994 no HMT. Sob coordenação do Dr. Dênio Braga, a especialidade é responsável por realizar procedimentos de Hemodiálise, Diálise Peritonial e Plasmaférese. 


Legenda: Da esquerda para a direita: Dra. Alice Cordeiro Franco Braga, Dr. Dênio Braga de Souza e Dr. Felippe Gonçalves Declié Fagioli


Legenda: Equipe da Nefrologia com as técnicas, Silvania Soares (Nefroclínicas) e Cláudia Lourenço do HMT.