Hospital Madre Teresa realiza II Simpósio de Fisioterapia Hospitalar

Prevenção de agravos e manutenção da independência funcional do idoso foi tema de debate

O HMT realizou no seu Centro de Estudos e Pesquisa – CDEP o II Simpósio de Fisioterapia com o tema “O idoso hospitalizado: um olhar diferenciado na prevenção de agravos e manutenção da independência funcional”. O evento contou com a presença de profissionais renomados e atuantes em Fisioterapia Hospitalar.

A Coordenadora do serviço de fisioterapia do HMT, da pós-graduação em fisioterapia hospitalar e professora do departamento de fisioterapia da PUC – MG Raquel de Macedo Bosco, foi uma das participantes com a palestra “Avaliação da fragilidade do idoso hospitalizado: ferramenta estratégica na redução da morbimortalidade”.

Segundo ela, o objetivo principal do Simpósio foi discutir de maneira multidisciplinar sobre o panorama do envelhecimento do setor público e privado no Brasil, além da prevenção de agravos, o que pode ser melhorado no hospital e a avaliação da fragilidade do idoso. “Nossa intenção é preparar a equipe em relação a isso e discutir temas como a prevenção de agravos e complicações durante a internação e a manutenção da funcionalidade desse idoso aqui no hospital”, pontua.

Gabriel do Couto Avelar, membro da equipe de fisioterapia do HMT, preceptor da pós-graduação em fisioterapia hospitalar também foi um dos palestrantes do Simpósio com o tema “Estratégias e recursos fisioterapêuticos para mobilização e melhora funcional do paciente idoso durante a internação no HMT” com o objetivo de aumentar o leque de recursos para realizar o tratamento dos pacientes.

“O Simpósio em geral é um evento científico que agrega muito tanto para os profissionais quanto para os acadêmicos. A equipe de fisioterapia do HMT é bem consolidada, com profissionais experientes e atualizados que organizou o evento com mais de 90 participantes. Os que mais vão se beneficiar com esse debate são os pacientes que vão ter um tratamento mais seguro e eficaz”, afirma.

Ainda segundo a Coordenadora Raquel Bosco, existe uma grande preocupação com o aumento exponencial da população idosa no Brasil nos últimos anos, esta que se mostra muito significativa. Em 2010, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) constatou que a população idosa do Brasil era de 20,5 milhões de pessoas, o que representava 10,75% da população com 60 anos ou mais. Já em 2022, o Censo Demográfico mais recente mostrou que o Brasil atingiu a marca de 31,2 milhões de idosos, ou seja, 14,7% da população. Um aumento de 39,8% no período de 2012 a 2021.

Além do crescimento expressivo do número de pessoas com 60 anos ou mais, a expectativa de vida da população também segue evoluindo. O IBGE constatou que no início do século XX o brasileiro vivia em média até os 34 anos. Esse cenário mudou nos anos 2000 com a média atingindo a marca de 70 anos e a projeção para 2060, segundo o Instituto, é de 81 anos.

Ciente do contexto da população idosa no Brasil, o Hospital Madre Teresa, mais uma vez, segue pioneiro neste debate e busca trabalhar esse cuidado de maneira multidisciplinar, preparando toda a equipe médica e de enfermagem para um paciente que já chega com certo grau de fragilidade.

Raquel Bosco comenta que, desde 2020, foi implementada pela equipe de Fisioterapia a avaliação sistematizada da fragilidade em todos os idosos que necessitam de internação hospitalar. Esta avaliação é realizada em até 48 horas após a admissão, sendo utilizada a Escala de Edmonton, já traduzida e validada para a população idosa brasileira. Com o resultado obtido, são definidas estratégias e condutas fisioterapêuticas com o objetivo de minimizar os riscos como quedas, por exemplo, e manter a independência funcional.

 Para 2024, o objetivo é ampliar a segurança e a redução de agravos através de um projeto junto à equipe da TI, que fará um trabalho de notificação de forma interligada, para toda a equipe multidisciplinar, sobre a classificação da fragilidade dos idosos internados. Será um processo sistematizado, que irá auxiliar de forma significativa na redução dos agravos, sendo um diferencial do Hospital na avaliação dos pacientes idosos. “Todos estarão engajados nesse mapeamento de fragilidade do idoso aqui no Hospital. É um marcador importante de prognóstico e somos pioneiros nisso”, conclui.

Confira os participantes do II Simpósio de Fisioterapia do HMT

Além da Coordenadora Raquel Bosco e do fisioterapeuta Gabriel do Couto Avelar, participaram também:

  • Flávia Roberta Carneiro Roza Bosco, Gerente Médica do HMT com a palestra “O impacto do envelhecimento nos sistemas de saúde público e privado no Brasil: desafios e propostas”;
  • Pedro Roussef, Coordenador da Cardiogeriatria/ SBC-MG e membro da equipe de cardiologia do HMT com a palestra “Gerenciamento das multimorbidades prevenção das iatrogenias”;
  • Vera Lúcia Miranda Alves, nutricionista do Hospital João XXIII com o tema “Desnutrição durante a internação: impacto e estratégias para assegurar o suporte nutricional adequado”;
  • Douglas Capanema Mateus, preceptor e docente da residência em fisioterapia em urgência e emergência do hospital João XXIII com o tema “’Up to date’ na mobilização precoce: estratégias de progressão da reabilitação do paciente idoso na UTI”;
  • Sylvia de Oliveira Lima, membro da equipe de fisioterapia do HMT e preceptora da pós-graduação em fisioterapia hospitalar com o tema “Indicadores de funcionalidade e mobilização em terapia intensiva e unidades de internação hospitalar”.

Sobre a Fisioterapia do HMT

O serviço de Fisioterapia do Hospital Madre Teresa, composto atualmente por 27 profissionais altamente capacitados e em constante atualização, atua de maneira multidisciplinar e estratégica na instituição, sempre com o foco da prevenção, tratamento e reabilitação dos pacientes internados.

Além do acompanhamento individual, o serviço possui ainda a sala de reabilitação, que dispõe de vários recursos tecnológicos, como o Sara Plus, equipamento elétrico de última geração para auxílio no retorno da marcha em pacientes com internação prolongada, principalmente em UTI.

O serviço de Fisioterapia conta com uma estrutura completa para a realização dos tratamentos necessários e indispensáveis para a melhor recuperação e performance de cada paciente. “Para se ter uma ideia, o paciente que está em repouso no leito pode perder de 10% a 15% da massa muscular por semana. Em 3 semanas a força muscular global pode diminuir em até 50%. O paciente fica muito debilitado. Por isso, nosso objetivo é prevenir a perda muscular, manter ou recuperar a autonomia funcional, acelerando o processo de alta, com a consequente melhora da qualidade de vida dos pacientes que necessitam de um período de hospitalização”, explica a coordenadora Raquel Bosco.

PEQUENAS MISSIONÁRIAS DE MARIA IMACULADA COMEMORAM 75 ANOS DE CHEGADA A BELO HORIZONTE

Irmãs chegaram em janeiro de 1949 com corações transbordantes de boa vontade e alegria

Janeiro é um mês muito especial para as Pequenas Missionárias de Maria Imaculada por completarem 75 anos de chegada à Belo Horizonte. Lideradas por Madre Maria Teresa de Jesus Eucarístico, as religiosas assumiram a gestão do até então, antigo Sanatório Marques Lisboa, em 6 de janeiro de 1949.

Ao longo dos anos e com visão estratégica de futuro, as religiosas promoveram a transformação do espaço que antes era dedicado ao tratamento da tuberculose em um hospital geral de alta complexidade – o Hospital Madre Teresa. O desafio dessa transição combinou coragem, empreendedorismo e vocação missionária, o que fizeram do HMT um dos principais hospitais do Brasil.

Missão

Madre Maria Teresa de Jesus Eucarístico chegou a Belo Horizonte no fim da década de 40, aceitando um convite do então arcebispo metropolitano, Dom Antônio dos Santos Cabral. No entanto, a religiosa enfrentou grandes dificuldades com o cenário de organização e limpeza encontrado no antigo Sanatório Marques Lisboa.

Percorrendo as dependências do Sanatório, as Irmãs concluíram que não seria possível, assumirem tamanho desafio. Foi quando Madre Teresa avistou, ao final do corredor, uma luzinha brilhando e, ao aproximar-se dela encontrou Jesus no Santíssimo Sacramento. Então, a Madre disse: “Se Jesus está aqui, nós também podemos ficar”.

Dedicação e muitos resultados

O trabalho foi minucioso e compensou cada esforço. A instituição que iniciou sua trajetória com cerca de cem leitos se tornou referência em diversas áreas médicas e em cirurgias de alta complexidade, minimamente invasivas e robóticas.

Hoje, o Hospital Madre Teresa dispõe de mais de 35 especialidades médicas e cirúrgicas em um grande complexo com certificações nacionais e internacionais que demonstram a excelência e qualidade.

Futuro das Missionárias

Atualmente, 13 Pequenas Missionárias de Maria Imaculada atuam no HMT com a missão de cuidar do próximo. A diretoria focada na prestação de assistência integral à saúde, considera o conhecimento técnico e também o cuidado humanizado e espiritual, como uma das maneiras de manter vivos os ideais da Madre, para isso o HMT conta, por exemplo, com a atuação da Pastoral de Saúde e do Programa de Humanização (ProHuma),

A Diretora Geral, Ir. Neusa Palhão, conta que são muitos os objetivos para os próximos anos, sempre alinhados com o legado deixado por Madre Teresa. “ Viver o sonho de nossa fundadora é extremamente gratificante. Nós, Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, continuaremos firmes no propósito que nos foi confiado há 75 anos atrás”, comenta a Diretora.

Sobre a Rede Madre (IPMMI)  

Em 08 de novembro de 1936, nascia oficialmente a Congregação das Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, reconhecida e aprovada pelo Papa Pio XI. Hoje, conhecida como Rede Madre, a congregação foi criada em São José dos Campos por Madre Maria Teresa de Jesus Eucarístico, e é responsável pela administração de cinco hospitais, além de diversas obras sociais espalhadas pelo Brasil e mundo.

COORDENADOR DA OTORRINOLARINGOLOGIA DO HMT É INDICADO PARA OCUPAR CADEIRA NA ACADEMIA MINEIRA DE MEDICINA

O coordenador da Otorrinolaringologia do HMT, Dr. Ricardo Jacob de Macedo foi indicado para ocupar a cadeira de número 09 na Academia Mineira de Medicina.

Ao receber esse honorável cargo, o médico não carrega apenas o peso de sua própria trajetória, mas também a responsabilidade de contribuir para o enriquecimento do debate médico, impulsionando pesquisas e promovendo a troca de experiências entre os membros da academia.

A Academia Mineira de Medicina foi fundada em 1970 com objetivo de contribuir para o desenvolvimento e progresso da Medicina. O órgão é composto por 100 cadeiras, sendo ocupadas por profissionais com extremo rigor ético e científico – médicos reconhecidos por seu saber, importância e que possuem notória contribuição acadêmica, assistencial e de gestão.

Uma carreira de prestígio

Além de coordenador da especialidade no HMT, o médico também foi Presidente da Sociedade Mineira de Otorrinolaringologia, é Membro do Conselho Consultivo da Fundação Otorrinolaringologia-USP e Membro Efetivo da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico Facial. Também foi Presidente do 39º Congresso Brasileiro de Otorrinolaringologia em BH no ano de 2008.

A trajetória do Dr. Ricardo Jacob, é marcada por uma profunda dedicação à ciência e ao bem-estar dos pacientes. O reconhecimento e convite atestam não apenas sua competência clínica, mas também seu compromisso com a pesquisa e a educação médica.

“Me sinto lisonjeado com essa indicação. Ocupar uma cadeira na academia Mineira de Medicina confirma meu compromisso ético e humano com a medicina e, em especial, com minha especialidade. Como membro desta instituição respeitada, espero continuar compartilhando não somente o meu conhecimento, mas também contribuir com as novas gerações de médicos na busca pela excelência em todas as áreas da saúde”, comenta o médico.

Sobre a Otorrinolaringologia do HMT

Composta por uma equipe multidisciplinar, o serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Madre Teresa dispõe de profissionais, sendo cirurgiões de cabeça e pescoço, otorrinolaringologistas e cirurgiões crânio–maxilo–facial.

A equipe atua desde a inauguração do hospital, sob a coordenação do Dr. Ricardo Jacob Macedo. O Centro Avançado de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-facial do Hospital Madre Teresa é referência para o tratamento das labirintopatias, assim como de diversas doenças do ouvido, nariz, faringe, laringe, pescoço, cirurgias crânio-maxilo-faciais, dentre outros.

MÉDICO ELEVA PRESTÍGIO DA HEMODINÂMICA DO HOSPITAL MADRE TERESA NA AMERICAN HEART ASSOCIATION

O Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista, juntamente com o Heart Time do Hospital Madre Teresa, destaca-se mais uma vez no cenário internacional, por meio da brilhante apresentação realizada pelo Dr. Bruno Nascimento no American Heart Association, um dos mais importantes encontros da especialidade nos EUA.

O médico, representou o HMT discursando sobre o tema: “Experiência inicial da Válvula Aórtica Acurate”. Em um evento repleto de renomados profissionais e trabalhos de todo o mundo, o Dr. Bruno compartilhou resultados expressivos a partir da utilização da Acurate Neo 2 no HMT.

No encontro o médico enfatizou a importância da colaboração interdisciplinar e da aplicação de tecnologias de ponta na busca contínua por tratamentos mais eficazes. “Nossa abordagem visionária reflete não apenas seu compromisso pessoal com a excelência, mas também a dedicação do Hospital Madre Teresa em oferecer cuidados de saúde de padrão internacional”, comenta o médico.

Prestígio

O trabalho apresentado durante o congresso, também foi publicado no Circulation, a revista oficial do American Heart Association.

Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do HMT

O Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Madre Teresa, coordenado pelo Dr. Marcos Marino, é formado por renomados cardiologistas intervencionistas, eletrofisiologistas e neuroradiologistas. O serviço iniciou suas atividades na década de 90 e, desde então, tem alcançado expressivo progresso no tratamento endovascular de diversas cardiopatias e tratamento do Acidente Vascular Cerebral (AVC). A especialidade é responsável por realizar diversos procedimentos, tais como: cateterismos cardíacos, infarto agudo do miocárdio, angioplastias coronarianas, carotídeas e de ramo intracraniano, estudos eletrofisiológicos, implante de stents cardíaco e intracraniano, angiografias, embolizações, trombectomia. Nesse contexto, é possível destacar o implante de prótese valvar aórtica (TAVI), procedimento pelo qual o Hospital é pioneiro no estado de Minas Gerais e referência nacional com seu Heart Team.  Em 2020, o Hospital Madre Teresa inaugurou a nova sala de Hemodinâmica. O espaço conta com tecnologia de ponta do equipamento Azurion 7 e do avançado software Clarity. A tecnologia permite realizar os procedimentos intervencionistas com mais precisão e agilidade, além de promover a diminuição no tempo do exame em até 20%, reduzir a dose de radiação e contraste em até 85%, tanto para paciente quanto para a equipe.

NUTRICIONISTA DO HOSPITAL MADRE TERESA CONTRIBUI PARA O DEBATE SOBRE NUTRIÇÃO ENTERAL EM PACIENTES COM DEMÊNCIA AVANÇADA

A nutricionista do Hospital Madre Teresa, Talita Macedo, teve o seu artigo, “Controvérsias do uso da nutrição enteral em adultos com demência avançada: revisão integrativa da literatura”, publicado na revista Brasileira de Nutrição Clínica BRASPEN da SBNPE (Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral).

No artigo, a nutricionista, que atua ativamente com os pacientes que estão sob cuidados paliativos, aborda questões cruciais relacionadas ao uso da nutrição enteral em adultos que estão enfrentando demência avançada. Sua revisão integrativa da literatura destaca as complexidades e controvérsias que envolvem essa prática, oferecendo uma análise abrangente das pesquisas existentes.

“Minha pesquisa reúne diversas perspectivas e evidências. Com ele, espero contribuir na tomada de decisões, visando o bem-estar integral desses pacientes. Estou comprometida em continuar somando para avanços significativos na área da nutrição clínica, especialmente quando se trata de pacientes tão vulneráveis”, comenta Talita.

A pesquisa destaca não apenas a importância da alimentação adequada em pacientes com demência, mas também as divergências de opinião e os desafios enfrentados pelos profissionais de saúde ao decidirem pela implementação da nutrição enteral. Ao explorar diferentes perspectivas e evidências científicas, Talita contribui para o entendimento mais aprofundado desse tema sensível.

“A publicação do artigo em uma revista de destaque solidifica a expertise da nutricionista, não apenas como uma profissional de saúde dedicada do HMT, mas também como uma pesquisadora ativa e influente no campo da nutrição clínica”, comenta a coordenadora do Serviço de Nutrição e Dietética, Jossane Fernandes.

ORTOPEDISTA DO HMT RECEBE RECONHECIMENTO DA UNIMED-BH

É impossível conhecer o Dr. Eduardo Frois e não perceber, logo de cara, o brilho nos olhos do médico em exercer o que tanto ama. Mais do que isso, o ortopedista, especialista em joelho do HMT, trabalha em prol da missão de transformar vidas por meio do seu conhecimento.

Não é à toa que ele está entre os ganhadores do “Prêmio Inspiração 2023” promovido pela Unimed-BH. O médico foi reconhecido na categoria “Menção Honrosa” pela iniciativa “Informação a todo instante”.

O projeto premiado consiste na criação e divulgação de diversos vídeos informativos e orientadores sobre a área ortopédica com enfoque na Cirurgia do Joelho. Vídeos sobre doenças, saúde, bem-estar, cirurgia e pós-operatório. “ É uma forma de manter o paciente informado e seguro sobre os procedimentos e tratamentos, além disso, podem ser vistos e revistos, gerando mais tranquilidade e adesão. Me sinto honrado por esse reconhecimento”, comenta o médico.

Prêmio Inspirar

A Unimed- BH reconhece iniciativas realizadas que vão além do atendimento e geram percepção positiva para todos os pacientes e a sociedade em geral. Ou seja, inspirar com ações que promovam a saúde e o bem-estar da população, para além do atendimento médico.

CALOR X VARIZES: QUAIS SINTOMAS SE TORNAM MAIS INCÔMODOS NESSA ÉPOCA DO ANO? COMO PRECAVÊ-LOS?

Saiba quais são os fatores que devem ser evitados durante o ano todo

Embora o verão simbolize felicidade, agitação e bom-humor, essa época do ano também pede cuidados, principalmente com as pernas. O calor pode agravar alguns problemas de saúde, como é o caso das varizes. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, esses casos aumentam de 20% a 30% no verão.


Nessa época do ano, os sintomas pioram “Em períodos de alta temperatura, as veias se dilatam, este mecanismo é normal e ocorre para que o corpo perca temperatura e se adapte ao clima mais quente. Logo, isto, ocorre maior acúmulo de sangue nas pernas, o que intensifica os sintomas dos pacientes com varizes”, explica a angiologista Bruna Naves.

Pessoas que têm varizes nos membros inferiores queixam de piora da dor, peso, cansaço, inchaço e câimbras. “Mas se o paciente está com o tratamento em andamento, feito de forma adequada, as chances de sofrer no calor diminuem”, acrescenta.
Por ser uma doença crônica, é necessário seguir o tratamento de maneira rigorosa em todas as épocas do ano. “Ele poderá viver sem os incômodos associados ao quadro. E somente o médico poderá indicar a melhor forma de tratamento para cada caso”, alerta a angiologista.



Fatores de risco que podem ser mudados

No entanto, existem fatores de risco para varizes que podem ser evitados.

  • Sedentarismo: A atividade física é fundamental na prevenção e tratamento das varizes. Praticar exercícios estimula o sistema circulatório como um todo e facilita o retorno do sangue para o coração;
  • Ficar muito tempo na mesma posição: Viagens longas, por exemplo, a pessoa é obrigada a permanecer sentada ou em pé por muito tempo, na mesma posição, qualquer exercício que facilite a contração e relaxamento da panturrilha ajuda a bombear o sangue de volta para o coração. Um exemplo é tentar sempre caminhar alguns passos para estimular a musculatura da batata das pernas. Meias elásticas, desde que possuam a compressão adequada para o tipo de perna, também favorecem o bombeamento de sangue para o coração e colaboram para sua circulação no interior das veias;
  • Obesidade: O sobrepeso e as complicações associadas, pressão alta e diabetes são duas delas, representam sobrecarga para o sistema circulatório e aumentam o risco de desenvolver varizes, uma vez que a gordura acumulada no abdômen faz subir a pressão sobre os vasos e dificulta o fluxo normal do sangue, que vai criando bolsões nas veias das pernas. Alimentação equilibrada e a prática regular de exercícios físicos são medidas fundamentais para diminuir o risco que o excesso de peso representa;
  • Tabagismo: As substâncias que entram na composição do cigarro deixam o sangue mais viscoso, o que dificulta a circulação e favorece seu acúmulo nas veias das pernas. Largar o cigarro é uma medida de que não só as pernas, mas todo o organismo se beneficia;

    Salto alto: É um tema controverso. Alguns estudiosos do assunto garantem que não oferecem risco maior. O fato é que o uso rotineiro de saltos muito altos e finos pode manter a musculatura da perna por muito tempo contraída, obstáculo que torna mais difícil o retorno do sangue venoso e permite que parte dele fique retida nas veias das pernas e dos pés.


    Fonte: Bruna Naves – Médica Angiologista e Cirurgiã Vascular do HMT, titular da SBACV. Instagram: @brunanaves.vascular

FONOAUDIÓLOGAS DO HOSPITAL MADRE TERESA PUBLICAM ARTIGO SOBRE CARACTERÍSTICAS DAS AFASIAS NO AVC ISQUÊMICO MALIGNO

No campo da saúde, o Hospital Madre Teresa (HMT) é conhecido por seu compromisso com a excelência no atendimento e na pesquisa. Recentemente, duas fonoaudiólogas da instituição deram um importante passo nesse caminho ao publicar um abrangente artigo intitulado: “Características das Afasias no Acidente Vascular Cerebral Isquêmico Maligno”. O artigo foi publicado na importante Revista Neurociências, da Universidade Federal de São Paulo.

O estudo, liderado pelas fonoaudiólogas Raissa Costa e Yoná Silva Rabelo, buscou analisar as afasias, distúrbios da linguagem frequentemente associados ao acidente vascular cerebral isquêmico maligno. O AVC isquêmico maligno é uma forma grave de derrame que pode ter impactos devastadores na comunicação e na qualidade de vida dos pacientes. Portanto, compreender as características das afasias nesse contexto é de extrema importância.

“A publicação desse artigo representa um marco significativo para o serviço de fonoaudiologia, dentre outras especialidades, principalmente a neurologia. Ele contribui para o avanço do conhecimento científico no campo da fonoaudiologia e oferece informações valiosas para os profissionais de saúde que lidam com pacientes afetados por essa condição, possibilitando uma melhor compreensão e tratamento das afasias”, comenta as autoras.


As fonoaudiólogas conduziram uma pesquisa abrangente, envolvendo uma amostra significativa de pacientes que haviam sofrido AVC isquêmico maligno. Suas descobertas destacam a importância da intervenção Fonoaudiológica, bem como as variações nas manifestações de afasia, que podem ser cruciais para um diagnóstico preciso e uma abordagem terapêutica eficaz.


“A publicação desse artigo demonstra o esforço contínuo do serviço em promover avanços significativos no campo da saúde, com foco no bem-estar de seus pacientes e na disseminação do conhecimento para benefício de toda a comunidade médica. Além disso, é gratificante ter profissionais comprometidos com a melhoria contínua e em desenvolver novas pesquisas em campos tão importantes como esse” comenta a coordenadora da Fonoaudiologia do HMT, Dênia Ferreira.

Fonoaudiologia do Hospital Madre Teresa – compromisso e cuidado

O serviço de Fonoaudiologia do HMT atua na instituição há cerca de 09 anos. A equipe, conta com a expertise de 4 profissionais da área: Dênia Ferreira, Luiza Cotta, Raissa Costa e Yoná Rabelo. O serviço atende todas as unidades de internação, UTI’s, além do atendimento 24 hs. O acompanhamento dos pacientes é realizado por meio do pedido de interconsulta médica e pelo Protocolo Institucional de Prevenção a Broncoaspiracao.


Leia o artigo na íntegra por meio do link:  https://periodicos.unifesp.br/index.php/neurociencias/article/view/15216

MÉDICO DA HEMODINÂMICA E CARDIOLOGIA INTERVENCIONISTA DO HOSPITAL MADRE TERESA ESTÁ ENTRE OS CIENTISTAS MAIS INFLUENTES DO MUNDO

No último mês, sessenta e quatro pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foram considerados como os cientistas mais influentes do mundo. Destes, 11 são professores do curso de medicina na universidade mineira. O ranqueamento foi produzido pela Stanford University (EUA) utilizando como base os dados da Scopus, da editora Elsevier, umas das maiores do mundo.

Dentre os listados, está o médico da Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Madre Teresa (HMT), Dr. Bruno Ramos Nascimento. Segundo ele, os scores para a classificação são advindos do número de publicações realizadas, do número de citações que o pesquisador possui em cada publicação e também a quantidade de citações em artigos, cujo o autor possui uma participação maior – sendo ele autor principal (primeiro autor) ou sênior (último autor).

Linhas de pesquisas

Os principais assuntos que levaram o médico ao topo estão ligados às diversas áreas da cardiologia, principalmente as doenças valvares – especialmente as cardiopatias reumáticas. O médico também aborda em suas pesquisas a epidemiologia das doenças cardiovasculares, bem como as complicações ligadas a doença de chagas e insuficiência cardíaca, dentre outras áreas.

“Estar mais uma vez na lista é um grande incentivo para continuar com as pesquisas. Afinal, o foco é sempre aprimorar no que há de novo para trazer as melhores práticas para o nosso hospital e paciente”, comenta o Dr. Bruno.

Serviço de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do HMT

O Departamento de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Hospital Madre Teresa, é formado por renomados cardiologistas intervencionistas, eletrofisiologistas e neuroradiologistas. O serviço iniciou suas atividades na década de 90 e, desde então, tem alcançado expressivo progresso no tratamento endovascular de diversas cardiopatias e tratamento do Acidente Vascular Cerebral (AVC). A especialidade é responsável por realizar diversos procedimentos, tais como: cateterismos cardíacos, infarto agudo do miocárdio, angioplastias coronarianas, carotídeas e de ramo intracraniano, estudos eletrofisiológicos, implante de stents cardíaco e intracraniano, angiografias, embolizações, trombectomia. Nesse contexto, é possível destacar o implante de prótese valvar aórtica (TAVI), procedimento pelo qual o Hospital é pioneiro no estado de Minas Gerais e referência nacional com seu Heart Team.  Em 2020, o Hospital Madre Teresa inaugurou a nova sala de Hemodinâmica. O espaço conta com tecnologia de ponta do equipamento Azurion 7 e do avançado software Clarity. A tecnologia permite realizar os procedimentos intervencionistas com mais precisão e agilidade, além de promover a diminuição no tempo do exame em até 20%, reduzir a dose de radiação e contraste em até 85%, tanto para paciente quanto para a equipe.

LOOPER: APARELHO PORTÁTIL PARA MONITORIZAÇÃO CARDIOGRÁFICA

Uma evolução na monitorização ECG prolongada, o Looper ou monitor de eventos, proporciona um diferencial no diagnóstico de arritmias.  Este avanço tecnológico, agora disponível no Hospital Madre Teresa (HMT) possibilita aos médicos um adicional ao tradicional e já conhecido holter  de 24h. Acrescenta maior número de dias de monitorização  e, ao paciente, o conforto de  menos eletrodos utilizados além de manter sua rotina de atividades.

Vale lembrar que a monitorização cardíaca é fundamental para o adequado diagnóstico e tratamento de arritmias de risco, além de sua estratificação  em determinadas cardiopatias.


Entenda

O registro dos sintomas relacionados às diversas arritmias (palpitações,  sincope ou pré síncope) podem não ter sido detectados por outros métodos não invasivos como o ECG e o Holter 24h. Nesses casos, o Looper pode ser útil, já que a gravação do eletrocardiograma (ECG) pode ser prolongada até 30 dias de acordo com a necessidade definida pelo médico solicitante, a partir do perfil clínico dos pacientes.


Durante o uso do Looper são utilizados menor número de eletrodos, o paciente pode tomar banho normalmente e realizar a troca dos eletrodos diariamente em sua casa. A gravação dos traçados de ECG é enviada em tempo real para a nossa central de análise. Essa gravação segue a programação do sistema:  automaticamente a cada 60 minutos; de acordo com a características do ECG registrado (se acima ou abaixo de determinada frequência cardíaca ou na presença de pausas); ou a partir do acionamento do botão de eventos do gravador, caso o paciente apresente sintomas durante a gravação. Neste último caso, são gravados traçados adicionais de 30 segundos antes e após o botão ter sido acionado, favorecendo o esclarecimento dos sintomas.


A partir disso, os dados de ECG são registrados na central de análise, o médico especialista em arritmias cardíacas emite um relatório com o registro das arritmias associadas ou não a sintomas, informando sobre alterações que possam contribuir para o tratamento adequado e/ ou estratificação dos casos clínicos.


O Serviço de Métodos Gráficos do Hospital Madre Teresa, coordenado pela Dra. Cláudia Madeira, cardiologista pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) e especialista em arritmias cardíacas pela SOBRAC (Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas) e responsável pelos laudos de Looper comenta:  “nossa missão é tornar o monitoramento cardíaco acessível e conveniente para todos. Com o uso do Looper estamos otimizando o tratamento da saúde cardiovascular do paciente”.

Para agendar ligue: (31) 3339 – 8455