Conheça o departamento de Eletrofisiologia do Hospital Madre Teresa


Da esquerda para a direita: Dr. Daniel Soares Sousa, Dr. Mitermayer Reis Brito e Dr. Carlos Eduardo de Souza Miranda

O serviço de Eletrofisiologia Invasiva e Arritmias Cardíacas do Hospital Madre Teresa (HMT) iniciou suas atividades em 1999 no departamento de Hemodinâmica, onde faz parte do grupo de Medicina Intervencionista do HMT. Com um trabalho criterioso ao longo desses 22 anos, dedicado ao tratamento das arritmias cardíacas, sob a forma do tratamento farmacológico e não farmacológico, por meio do atendimento de pacientes a nível ambulatorial e hospitalar, o serviço tem se destacado como um dos mais importantes e de grande referência nesta área a nível nacional.

O departamento coordenado pelo Dr. Mitermayer Reis Brito, é composto por mais dois especialistas, o Dr. Carlos Eduardo de Souza Miranda e o Dr. Daniel Soares Sousa.

O serviço é responsável por executar todos os procedimentos e exames necessários na área de arritmias cardíacas como: palpitações, taquicardias não esclarecidas por métodos não invasivos e síncope (perda de sentidos ou desmaio), além de indicar o melhor tipo de tratamento através de medicamentos antiarrítmicos e não antiarrítmicos, o qual consiste na ablação por radiofrequência como forma de tratamento de cura definitiva da maioria das arritmias, assim como indicação dos diferentes tipos de marca-passo definitivo.

Os métodos mais rotineiros são aqueles ligados as taquicardias supraventriculares, síndromes do tipo Wolff Parkinson White (WPW), taquicardias por reentrada átrio ventricular, fibrilação atrial, taquicardias ventriculares, prevenção de morte súbita e tratamento da insuficiência cardíaca através de marca-passos especiais.

“Um dos grandes diferenciais do nosso serviço é a habilitação de grande parte da equipe em Eletrofisiologia Invasiva Cardíaca, Estimulação Cardíaca Artificial, e também na Unidade de Estudos em Fibrilação Atrial”, explica o coordenador.

A Unidade de Fibrilação Atrial trabalha em parceria com vários departamentos do Hospital como a Cardiologia, Neurologia, Pneumologia e o serviço de Ecocardiografia, que fornece um grande suporte na realização de ablações de fibrilação atrial, destacando o serviço de Eletrofisiologia como um dos poucos que realizam o eco trans esofágico durante o procedimento no país, oferecendo mais segurança e precisão para realizar o isolamento dos focos de arritmia.

Tecnologia

O departamento de Eletrofisiologia Invasiva e Arritmias Cardíacas dispõe de recursos de alta tecnologia como salas de hemodinâmica de última geração, sistema de mapeamento e reconstrução tridimensional para ablações de maior complexidade, que proporciona mais eficácia no tratamento das arritmias através da ablação, que é uma cauterização obtida com o aquecimento da ponta de um cateter especial, aplicada no foco das arritmias.

O serviço de Arritmias e Eletrofisiologia do Hospital Madre Teresa também se destaca pela produção de trabalhos científicos, realizações de cursos, formação de residentes, webinars, estando em constante atualização científica.

Hospital Madre Teresa conta com o primeiro robô ortopédico Mako do país

A cirurgia robótica é considerada a evolução dos procedimentos cirúrgicos, pois une precisão à exatidão.

Foi com o foco no bem-estar do paciente, resultados e em sempre disponibilizar as melhores soluções tecnológicas que o Hospital Madre Teresa – HMT adquiriu, neste mês, o primeiro robô Mako do Brasil – especialista em cirurgias ortopédicas. A tecnologia robótica vem crescendo no mundo e, especialmente no país, tem se tornado um novo aliado dos profissionais de saúde. 

“Nossa equipe já realizou com maestria milhares de artroplastias do joelho e quadril. Agora, alinharemos nossa expertise à tecnologia robótica do Mako – estamos prontos para dar início aos primeiros procedimentos. Seguimos com a caracteristica vanguardista ao adquirir o primeiro Mako do país”, explica o coordenador da ortopedia do HMT, Dr. Lúcio Honório.

Entenda – Tecnologia a favor do paciente

Com o Mako, cada procedimento cirúrgico é único. Isso porque o robô combina importantes componentes e dispõe de grandes diferenciais. Com ele é possível desenvolver um plano personalizado com base na anatomia própria de cada paciente antes de iniciar o procedimento.

A partir da inteligência robótica do Mako, o cirurgião pode ter acesso a um planejamento em tecnologia 3D, háptica (sensível ao tato) e também à análise de dados de cada paciente. Ou seja, antes do procedimento cirúrgico, o médico saberá exatamente todo o panorama específico relativo ao paciente que será operado em seguida e, sempre que necessário, ele poderá ajustar o plano de atuação durante todo o processo.

Durante o procedimento, o cirurgião orienta o braço robótico para a preparação da articulação que receberá a prótese para posicioná-la. Está aqui um dos grandes diferenciais do Mako – isso porque ele trabalha para que o osso saudável ao redor da articulação do joelho ou quadril permaneçam íntegros. Estudos mostram que a substituição parcial do joelho ou quadril assistida pelo braço robótico do Mako leva à maior precisão da posição do implante em comparação aos procedimentos convencionais.

“Sem dúvidas, estamos lidando com uma perfeita interação entre o cirurgião e o Mako. O nosso paciente irá experienciar o que há de mais moderno nas artroplastias de joelho e quadril. Em outros países o sucesso nos procedimentos alcançaram a marca de 100%”. Conosco, no Brasil, não será diferente”, comenta o coordenador.

Ganhos ao paciente

A cirurgia robótica é considerada a evolução dos procedimentos cirúrgicos, pois une precisão à exatidão. Essa realidade tem muito a oferecer aos potenciais pacientes que serão submetidos a essa modalidade. Menos dor e baixo consumo de analgésicos, menor necessidade de fisioterapia hospitalar, menos corte (maior preservação de tecidos moles e estrutura óssea), redução de tempo de internação e rápido retorno a vida cotidiana são somente alguns dos benefícios da cirurgia robótica.

De acordo com dados do American Academy of Orthopaedic Surgeons, espera-se que até 2030 as substituições totais do joelho nos Estados Unidos aumentem 189%. Já as artroplastias totais do quadril podem crescer até 171%. No Brasil, essa realidade não será diferente. Os especialistas já consideram as artroplastias do quadril, por exemplo, como o procedimento da década.

Ortopedia e Traumatologia do HMT

O Hospital Madre Teresa é o maior centro de ortopedia de Minas Gerais, com relevante expressão na área de artroscopia das diversas articulações e com a maior experiência em artroplastias em todo o estado. O serviço possui especialistas em todas as áreas de atuação da ortopedia direcionada ao adulto.