SERVIÇO DE FISIOTERAPIA E REABILITAÇÃO DO HOSPITAL MADRE TERESA CONTRIBUI PARA A QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE

Publicado em: 17/2/2021


Além da redução do tempo de internação, o serviço devolve aos pacientes autonomia e confiança.

Um passo de cada vez. Essa frase nunca fez tanto sentido como tem feito para o setor de Fisioterapia e Reabilitação do Hospital Madre Teresa – HMT.  Há cerca de dois meses os pacientes do hospital contam com esse serviço singular, que foi viabilizado a partir de um projeto da equipe de Fisioterapia do hospital. No primeiro momento a sala de reabilitação está disponível apenas para atendimento intra-hospitalares, mas, no futuro, estará disponível aos pacientes que já receberam alta e desejam retornar as reabilitações.

A sala, localizada no 3º andar, possui uma infraestrutura completa para a realização dos exercícios e já recebe pacientes desde janeiro de 2021. “Nosso objetivo é acelerar o processo de alta, contribuindo para a redução do tempo de internação hospitalar. Para se ter uma ideia o paciente que está em repouso no leito perde até 5% da massa muscular por semana. Em 3 semanas a força muscular global pode diminuir em até 50%. O paciente fica muito debilitado”, explica a coordenadora do serviço de Fisioterapia do HMT, Raquel Bosco.

Raquel ainda conta que, o processo de reabilitação ajuda a trazer de volta a força muscular, a qualidade do sono, o equilíbrio, a autonomia para os afazeres diários e mais do que isso, o brilho nos olhos. “O simples fato de sair do leito já é um grande motivo para comemorar. Aqui é o lugar onde as lágrimas se transformam em esperança. Um simples passo dado, após meses de internação, é uma vitória sem tamanho”, diz. 

Hoje, a equipe conta com 24 fisioterapeutas e residentes altamente qualificados e que acompanham de perto a evolução de cada paciente. “Tive Covid-19 e estou internado há 70 dias. O simples levantar ou virar na cama era algo impossível. Com o trabalho da equipe do Hospital Madre Teresa já consigo caminhar um pouco e ir até a janela. E tudo isso, sozinho”, comemora o paciente Adriano Fortin.

Critérios para a reabilitação

Para que o paciente esteja apto a dar início ao processo de reabilitação é necessário que ele apresente um quadro de estabilidade clínica, ou seja, pressão arterial dentro da normalidade, grau de consciência favorável, dentre outros fatores de avaliação descritos nos critérios clínicos de segurança que são preenchidos pela equipe de Fisioterapia. Após a avaliação de todos os pontos, tanto a família quanto o paciente são comunicados sobre o projeto.  
As sessões de reabilitação, realizadas sempre no período da tarde, possuem duração de até 40 minutos e são acompanhadas pelo fisioterapeuta, Gabriel Couto, responsável pelas atividades na sala. “Levamos para as sessões os pacientes que apresentam um grau de mobilidade clínica mais crítica. A sala foi criada para promover uma reabilitação intensiva com um tempo maior de atendimento. É gratificante ver pacientes que não podiam caminhar sozinhos, voltando para casa independentes”, comenta o fisioterapeuta.

E há quem ficará com saudades. Como é o caso do João Rodrigues, que já está em processo de alta e sentiu de perto o bem que os exercícios cotidianos trouxeram para ele. “É um trabalho humanizado e animador.  É notável a dedicação desses profissionais conosco. Vou sentir saudades”, finaliza.



*A imagem da capa foi registrada antes do período de pandemia.




SERVIÇO DE FISIOTERAPIA E REABILITAÇÃO DO HOSPITAL MADRE TERESA CONTRIBUI PARA A QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE

Publicado em: 17/2/2021


Além da redução do tempo de internação, o serviço devolve aos pacientes autonomia e confiança.

Um passo de cada vez. Essa frase nunca fez tanto sentido como tem feito para o setor de Fisioterapia e Reabilitação do Hospital Madre Teresa – HMT.  Há cerca de dois meses os pacientes do hospital contam com esse serviço singular, que foi viabilizado a partir de um projeto da equipe de Fisioterapia do hospital. No primeiro momento a sala de reabilitação está disponível apenas para atendimento intra-hospitalares, mas, no futuro, estará disponível aos pacientes que já receberam alta e desejam retornar as reabilitações.

A sala, localizada no 3º andar, possui uma infraestrutura completa para a realização dos exercícios e já recebe pacientes desde janeiro de 2021. “Nosso objetivo é acelerar o processo de alta, contribuindo para a redução do tempo de internação hospitalar. Para se ter uma ideia o paciente que está em repouso no leito perde até 5% da massa muscular por semana. Em 3 semanas a força muscular global pode diminuir em até 50%. O paciente fica muito debilitado”, explica a coordenadora do serviço de Fisioterapia do HMT, Raquel Bosco.

Raquel ainda conta que, o processo de reabilitação ajuda a trazer de volta a força muscular, a qualidade do sono, o equilíbrio, a autonomia para os afazeres diários e mais do que isso, o brilho nos olhos. “O simples fato de sair do leito já é um grande motivo para comemorar. Aqui é o lugar onde as lágrimas se transformam em esperança. Um simples passo dado, após meses de internação, é uma vitória sem tamanho”, diz. 

Hoje, a equipe conta com 24 fisioterapeutas e residentes altamente qualificados e que acompanham de perto a evolução de cada paciente. “Tive Covid-19 e estou internado há 70 dias. O simples levantar ou virar na cama era algo impossível. Com o trabalho da equipe do Hospital Madre Teresa já consigo caminhar um pouco e ir até a janela. E tudo isso, sozinho”, comemora o paciente Adriano Fortin.

Critérios para a reabilitação

Para que o paciente esteja apto a dar início ao processo de reabilitação é necessário que ele apresente um quadro de estabilidade clínica, ou seja, pressão arterial dentro da normalidade, grau de consciência favorável, dentre outros fatores de avaliação descritos nos critérios clínicos de segurança que são preenchidos pela equipe de Fisioterapia. Após a avaliação de todos os pontos, tanto a família quanto o paciente são comunicados sobre o projeto.  
As sessões de reabilitação, realizadas sempre no período da tarde, possuem duração de até 40 minutos e são acompanhadas pelo fisioterapeuta, Gabriel Couto, responsável pelas atividades na sala. “Levamos para as sessões os pacientes que apresentam um grau de mobilidade clínica mais crítica. A sala foi criada para promover uma reabilitação intensiva com um tempo maior de atendimento. É gratificante ver pacientes que não podiam caminhar sozinhos, voltando para casa independentes”, comenta o fisioterapeuta.

E há quem ficará com saudades. Como é o caso do João Rodrigues, que já está em processo de alta e sentiu de perto o bem que os exercícios cotidianos trouxeram para ele. “É um trabalho humanizado e animador.  É notável a dedicação desses profissionais conosco. Vou sentir saudades”, finaliza.



*A imagem da capa foi registrada antes do período de pandemia.